Lipovetsky, G. (2004). Os tempos hipermodermos. São Paulo: Editora Barcarolla.

Louro, G. L. (2004). Um corpo estranho – ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica.

Maluf, S. W. (2002). Corporalidade e Desejo: Tudo sobre minha mãe e o gênero na margem. Revista Estudos Feministas, Florianópolis/SC, v. 10, jan. 2002.

Mauss, M. (1974). Sociologia e antropologia. São Paulo. Edusp, v.2 .
Mendonça, C.C. (2001), Subjetividade e tecnologia: as novas máquinas produtoras de corpos. Artigo em versão ampliada do trabalho apresentado no VIII Colóquio Internacional de Sociologia Clínica e Psicossociologia, UFMG, 2001. Recuperado em 2 novembro, 2006, de www.bocc.ubi.pt

Rolnik, S. (2000). Novas figuras do caos – mutações da subjetividade contemporânea. In: Fonseca, T. & Francisco, D. Modos de ser e habitar na contemporaneidade. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS.

Sibilia, P. (2002). O homem pós-orgânico – corpo, subjetividade e tecnologias digitais. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Soares, C. L. & Fraga, A. B. (2003). Pedagogia dos corpos retos: das morfologias disformes às carnes humanas alinhadas. Pro-posições. Campinas, SP: Faculdade de Educação, v.14, n.2, maio-agosto.